A Associação Fortaleza Down apoia evento em comemoração ao mês da Síndrome de Down

Author

Categories

Share

A Associação Fortaleza Down apoia evento em comemoração ao mês da Síndrome de Down
O encontro visa desmistificar preconceitos e promover a inclusão. No Brasil, cerca de 270 mil pessoas nascem com Síndrome de Down

 

                       Fotos: Bea Saboia

                        

Com o objetivo de conscientizar a sociedade e celebrar a vida das pessoas com síndrome de Down, será realizado, no próximo domingo (27), com o apoio da Associação Fortaleza Down, o “Tardezinha Down”. O evento acontece no Parque Rachel de Queiroz, às 16 horas. Ele foi idealizado por famílias da Associação, e tem uma programação de atividades e um piquenique especial com todos os presentes, possibilitando um momento de integração e troca de experiências.

É necessário ressaltar que no Brasil, a estimativa é de que a cada 700 nascimentos, um bebê nasça com a síndrome, o que representa mais de 270 mil pessoas nessa condição. Em uma sociedade que ainda precisa aprender a lidar com as diferenças, estimular a inclusão e aprofundar o conhecimento sobre pessoas com síndrome de down é essencial para desmistificar muitos conceitos errados que são propagados e levam diversas pessoas ao preconceito.

“Os nossos encontros, como o piquenique “Tardezinha Down”, trazem mais conhecimento para a sociedade e colocam as nossas crianças, jovens e adultos para conversar e debater a respeito da inclusão e o fim do preconceito. Essas ocasiões são abertas para quem quiser uma boa dose de conversa e uma tonelada de conhecimento”, afirma Shirley Chaves, Diretora Administrativa da Fortaleza Down.

Entre os conceitos que são erroneamente divulgados, está a ideia de que a síndrome de down é uma doença, quando, na verdade, ela é uma condição inerente à pessoa. Além disso, apesar de existirem deficiência de aprendizagem, não há qualquer relação entre as características físicas e o comprometimento intelectual. Isso significa que, apesar de apresentarem deficiências intelectuais e de aprendizagem, uma pessoa com síndrome de down vai se desenvolver de acordo com os estímulos e incentivos que receber, principalmente nos primeiros anos de vida, tendo total capacidade de realizar inúmeras atividades.

“Infelizmente ainda existem muitas ideias erradas que as pessoas propagam como se fossem verdade quando falamos de alguém com Síndrome de Down. É muito comum que as pessoas acreditem que o indivíduo é inferior ou tem uma doença que o diferencia dos demais, por exemplo. Só que esses são conceitos completamente equivocados. Apesar de terem sim características ligadas à síndrome, uma pessoa com Down tem muitas habilidades, só é preciso incentivá-las e promover um ambiente de desenvolvimento inclusivo”, pontua Alessandra Costa, Diretora da Associação Fortaleza Down.

Dentro desse contexto, é muito importante que haja uma maior troca de conhecimento a respeito do assunto, sobretudo que os pais de crianças com síndrome de Down busquem o máximo de informações sobre a condição genética, possibilitando que a criança seja acompanhada corretamente desde o início e tenha uma melhor qualidade de vida. E por falar em informação, a seguir você poderá conferir uma seleção de 3 frases que não devemos fazer uso na atualidade.

1. Indivíduos com necessidades especiais
Esse modo de tratamento não deve ser utilizado, a deficiência nada mais é do que um conjunto de características pessoais. E, partindo desse princípio, ela pode ver e viver o mundo de outras formas.

2. Pessoas com Down são anjos
Essa expressão ainda não caiu em desuso mas deveria. O indivíduo com Down não é sempre “bonzinho” ou é uma “eterna criança”, eles possuem personalidades e temperamentos próprios.

3. Terão uma vida limitada
Essa é uma das grandes inverdades que circulam na sociedade. As pessoas com Síndrome de Down podem conquistar o que quiserem, desde que sejam dadas oportunidades, incentivo e apoio.

Sobre a Associação Fortaleza Down
Oficializada em 2015, a Fortaleza Down busca a quebra de preconceitos envolvendo as pessoas com Síndrome de Down e reafirma a importância da sua inserção na sociedade, bem como no mercado de trabalho. As ações coordenadas pela Associação buscam apoiar os seus integrantes e suas famílias, auxiliando nos processos que previnem a garantia de direitos e a inibição de ilegalidade.

A Associação é responsável por implementar projetos de grande valia. Com a ajuda de seus parceiros foi possível aprovar iniciativas como o “Projeto Arte de Incluir”, este sendo aprovado oficialmente pelo Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura, entre outros.

Serviço
Tardezinha Down
Local: Parque Rachel de Queiroz (Próximo ao North Shopping)
Data: 27 de março (domingo)
Hora: 16:00 horas
Mais informações: (85) 98742-3725.

Author

Share