Ainda mais plural e diversa, a 8ª Bienal Internacional de Dança – De Par em Par começa no dia 21 de outubro

Author

Categories

Share

Esta edição dos anos pares da Bienal Internacional de Dança do Ceará terá solenidade de abertura no Cineteatro São Luiz, com homenagens a personalidades da cultura e apresentações da Cia. de Dança Mainara Albuquerque e São Paulo Companhia de Dança. Os convites são gratuitos e dão acesso à festa no Dragão do Mar com Coletivo Tertúlia e Karina Buhr + Régis Damasceno

 

Marcelo Evelin será um dos homenageados na abertura. Na bienal ele apresenta “Ai, Ai, Ai”, teve estreia em 1995 no Teatro Brakke Grond, em Amsterdã. Foto: Valério Araújo

 

Vem aí a 8ª Bienal Internacional de Dança do Ceará – De Par em Par, que acontece de 21 a 29 de outubro de 2022 em Fortaleza, Paracuru, Juazeiro do Norte e Itapipoca, acolhendo e abraçando a diversidade. No palco, o público vai ter a oportunidade de conferir companhias e artistas de origens distintas e travessias infinitas, onde as identidades, ancestralidades e memórias celebram a força e pluralidade da nossa arte.

 

A abertura em Fortaleza no dia 21 em Fortaleza, às 19 horas, no Cineteatro São Luiz, começa com a apresentação do espetáculo “Vitrúvio”, da Cia de Dança Mainara Albuquerque.  Trata-se de uma coreografia de Jefferson Oliveira baseada no Homem Vitruviano, desenho de Leonardo da Vinci. A São Paulo Companhia de Dança também vai estar no primeiro dia da 8ª Bienal De Par em Par, com três apresentações: “Mamihlapinatapai” (2012), “Instante” (2017) e “Grand Pas de Deux de Dom Quixote” (1869/2012). A noite também será de homenagens a duas personalidades da cultura, o bailarino piauiense Marcelo Evelin e a gestora cultural cearense Luisa Cela.

 

Convites para a abertura da Bienal De Par em Par no Cineteatro São Luiz serão disponibilizados a partir do dia 19 de outubro, na bilheteria do equipamento e no escritório de produção do evento, localizado no Porto Dragão. O público presente à solenidade receberá o acesso à festa de abertura, que acontecerá na sequência, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, com a Tertúlia Vândala, do Coletivo Tertúlia, e o show “Karina Buhr Voz e Tambor”, com a cantora Karina Buhr e o guitarrista Régis Damasceno.

Homenagens

 

Como nas edições anteriores, a solenidade de abertura da Bienal De Par em Par é marcada pelo reconhecimento público a personalidades que se destacam no trabalho para o fortalecimento da dança e da arte, em especial do Ceará e do Nordeste do país, e contribuem para a difusão e consolidação da nossa cultura – e dos nossos artistas – para além de nossas fronteiras. Um dos homenageados deste ano é o bailarino, coreógrafo e pesquisador Marcelo Evelin. Dividindo-se entre Teresina e Amsterdam, o artista trabalha no Brasil, Japão e em vários países da Europa à frente da Plataforma Demolition Incorporada, baseada no CAMPO, espaço de Residência e Resistência das Artes Performáticas em Teresina, no Piauí.

 

Marcelo Evelin ensina na Escola Superior de Artes de Amsterdam desde 1999 e vem criando projetos junto a universidades e cursos de mestrado, entre eles ISAC (Bruxelas), Museu Reina Sofia (Madri), EXERCE (Montpellier) e CND (Paris). Em 2019 recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Piauí. Na Bienal, Marcelo Evelin leva à cena o premiado espetáculo Ai, Ai, Ai, criado em Nova Iorque, cuja estreia aconteceu em 1995 no Teatro Brakke Grond, em Amsterdã. No palco, um solo extremamente pessoal, concebido a partir de um processo investigativo do próprio corpo, entre o momento presente e a memória. A apresentação acontece no dia 22, às 20h, no Teatro Dragão do Mar, CDMAC (Fortaleza).

Quem também vai ser homenageada na 8ª Bienal De Par em Par é a cearense Luisa Cela, que desde 2013 atua no campo das políticas culturais e de cidadania cultural. Como secretária executiva da Secult Ceará, sua gestão ficou marcada pela agilidade na realização de projetos e iniciativas para a cultura durante o período de pandemia, com destaque para a Lei Aldir Blanc. Formada em psicologia, Luisa Cela exerceu a função de Diretora de Direitos Humanos na Rede CUCA, período em que coordenou uma ação em parceria com a Bienal Internacional de Dança, o Projeto Trajetos EnCena.

No Instituto Dragão do Mar, desempenhou a função de Diretora de Cidadania Cultural, dirigindo o Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ), onde a dança ganhou ainda mais destaque, a partir do fortalecimento da parceria com a Bienal, com a realização de ações de formação e difusão, além da II Edição do Projeto Trajetos EnCena, da Bienal. Em Sobral, Luisa Cela presidiu o Instituto ECOA (Escola de Comunicação, Cultura, Ofícios e Artes), sendo responsável por articular duas edições da Bienal Internacional de Dança no município e lançar o Trajetos de Criação, projeto inspirado nas ações de formação e circulação da Bienal de Dança.

Democratização e acessibilidade

A programação da 8ª Bienal Internacional de Dança do Ceará – De Par em Par vai ocupar espaços diversos como Cineteatro São Luiz, Theatro José de Alencar, Centro Cultural Porto Dragão, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ), equipamentos da Secult Ceará, além da Vila das Artes e casa da Silvia Moura, em Fortaleza; Teatro David Linhares, no Centro Cultural Companhia de Dança e Praça da Matriz, em Paracuru; Teatro Patativa do Assaré, no SESC, e Associação Dança Cariri, em Juazeiro do Norte; Teatro Alternativo de Itapipoca e Galpão da Cena, em Itapipoca.

 

A programação em Fortaleza segue até sábado, dia 29, com três a quatro espetáculos por dia, a partir das 16 horas. Um dos destaques é a bailarina e coreógrafa cearense Valéria Pinheiro, com “Touro {BULL}”, um espetáculo que aborda o tema da ancestralidade feminina a partir do ponto de vista da cultura caririense. A apresentação em Fortaleza será no dia 23 no Teatro Dragão do Mar. No dia 26 abre a programação em Juazeiro do Norte, no Teatro Patativa do Assaré.

Além das apresentações, outras atividades artísticas e formativas acontecem nesta edição. Os projetos Impermanência, com Thembi Rosa, Margaret de Assis, Myriam Gourfink e Joséphine Derobe, de 26 a 29, no Centro Dragão do Mar, e Parquear, conduzido por Thembi Rosa e Margo Assis, de 27 a 29 na Vila das Artes. O espanhol Alex Pachón, com o apoio da Acción Cultural Española (AC/E), conduz a Residência “Corpos mediados – Laboratório de coreo-cinema”, de 18 a 28 de outubro no CCBJ. Os participantes desta ação, já inscritos, recebem uma bolsa no valor de R$ 450,00, financiada pelo Fundo Estadual de Combate à Pobreza (FECOP).

 

Eixo trabalhado pela Bienal de Dança desde 2015, a Plataforma de Acessibilidade contempla ações de formação e difusão, realizando atividades como o 5º Seminário Dança e Acessibilidade. Esta edição amplia o conceito do tema “Cores e Nomes” para integrar os mais diversos corpos e condições.  Em Palestras e Rodas de Conversa, serão debatidas não só as demandas da pessoa com deficiência, como questões de raça, gênero e corpos dissidentes. A pluralidade será o mote para se pensar outros modos de acesso ao direito à cidade e como ocupar esses espaços. Na Plataforma também serão exibidos vídeos em formato acessível que exploram a diversidade como outros modos do pensar a gestualidade e haverá uma Oficina de conscientização para profissionais da cultura. A programação acontecerá de 25 a 29, sempre às 16 horas, no Cinema do Dragão.

 

Em Paracuru a programação acontece de 21 a 23. Começa com a Companhia de Danças de Diadema, que leva à Praça da Matriz da cidade dois espetáculos: No dia 21, “Crocodilo embaixo da cama”, e no dia 22, “Força fluida”. De manhã, nos dois primeiros dias, a bailarina e coreógrafa Ana Bottosso, diretora da companhia, conduz uma Masterclass destinada aos alunos da Escola Pública de Dança de Paracuru. No dia 23 a companhia estará em Fortaleza para apresentar “Crocodilo embaixo da cama” no Cineteatro São Luiz. Também s e apresentam em Paracuru a Paracuru Cia de Dança com “Inventário de Belezas” no dia 22 na Praça da Matriz, e Clarissa Costa com “Normal mente” no dia 23 no Teatro David Linhares.

 

A Bienal De Par em Par estará em Juazeiro do Norte de 26 a 28 com espetáculos, oficina e residência artística. Valéria Pinheiro, que abre a programação no Cariri com “Touro {BULL}”, conduz a residência Guerreiras de Santa Madalena – A força da mulher no brinquedo popular, que vem acontecendo desde março deste ano, no CRAS de João Cabral, bairro onde residem todas as participantes do projeto. São mulheres do brinquedo popular que fazem parte do Reisado dos Irmãos. Mestre Antônio e Mestre Raimundo são como mentores, assim como Mestra Yara, que está à frente das Guerreiras de Santa Madalena. No dia 28 o grupo se apresenta no Teatro Patativa do Assaré, no SESC.

 

Cia Inspire e Cia Alysson Amancio estão juntas em “Não é proibido pisar na grama”, que está na programação da bienal em Juazeiro do Norte no dia 28 no Teatro Patativa do Assaré.  O espetáculo, criação e direção de Luciana Araújo, faz uma analogia ao “proibido pisar na grama” com as dimensões do permitido e do proibido que atravessam os corpos dos bailarinos, três homens que encaram o feminino que os perpassa e os constrói, convocados pelo olhar de uma mulher.

 

A Bienal traz o artista Pol Pi, brasileiro radicado na França, para apresentações de “ECCE (H)OMO” em Juazeiro do Norte, no dia 27, Itapipoca, no dia 28, e Fortaleza, no dia 29. Criado em 2017, este trabalho é um desejo de reflexão sobre a noção do legado na dança através de uma interpretação do grupo de dança Afetos Humanos, da coreógrafa alemã Dore Hoyer (1911-1967). Em Juazeiro do Norte ele ministra uma oficina de composição coreográfica destinada a bailarinos profissionais, onde trabalhará a partir de suas técnicas de composição coreográfica para a criação de “ECCE (H)OMO”. Em Fortaleza, o artista participará da Plataforma de Acessibilidade, na Roda de Conversa com o tema “Acessando o invisível: Artesanias Trans e Intersexo”, no dia 29, no Cinema do Dragão, ao lado de Maria Léo Araruna (DF) e Noa Bonoba (CE), com mediação de Vidda Guzzo (MG/DF).

 

Em Itapipoca, cidade que terá programação da Bienal de Par em Par de 26 a 28, a Taanteatro Companhia apresenta “Mensagens de Moçambique”, solo do bailarino moçambicano Jorge Ndlozy, que no dia 25 estará no Teatro Dragão do Mar, em Fortaleza. Este espetáculo tematiza a luta pela soberania e autorrealização face à herança colonial portuguesa em um país africano. Com direção de Wolfgang Pannek e direção coreográfica de Maura Baiocchi, a obra foi criada por ocasião da ARTT 2018 (Art Residence Taanteatro). No dia 27, em Itapipoca, Jorge Ndlozy conduz pela manhã uma oficina destinada aos bailarinos profissionais da cidade, na Associação de Artes Cênicas de Itapipoca (AARTI).

 

A VIII Bienal Internacional de Dança do Ceará – De Par em Par é uma realização da Indústria da Dança e da Proarte. Tem o apoio da Prefeitura de Fortaleza, Prefeitura de Itapipoca, Prefeitura de Paracuru e SESC Fecomércio, e o apoio institucional da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult-CE), por meio da Lei do Mecenato Estadual. Agradecimento: Enel.

 

SERVIÇO

VIII Bienal Internacional de Dança do Ceará – De Par em Par – De 21 a 29 de outubro de 2022, com programação em Fortaleza, Paracuru, Juazeiro do Norte e Itapipoca. Toda a programação da bienal é gratuita, aberta ao público, com espaços sujeitos a lotação. Para as apresentações em Fortaleza, os tíquetes (gratuitos) devem ser retirados no site Sympla: www.sympla.com.br/bienaldedanca. O acesso à programação de abertura é para convidados. A programação completa pode ser consultada no site www.bienaldedanca.com | Informações: [email protected].

Programação completa: https://www.bienaldedanca.com/

Author

Share