Estamos mesmo celebrando o 7 de setembro?

Author

Categories

Share

Vocês devem achar que esse artigo está atrasado, mas não se preocupe, não perdi o timming das coisas.

Como analista, é preciso esperar o pó dos fatos assentar para fazer uma leitura mais bem direcionada quando se trata de conjuntura política, assim como você espera o pó de café assentar na xícara para não o tomar turvo e alterar o sabor.

Pois bem, passada uma semana do 7 de setembro, vamos refletir um pouco sobre os diversos acontecimentos daquele dia.

Em primeiro lugar, acho que o dia 7 de setembro foi sequestrado! Sou a favor dos protestos de todos os lados, e que as pessoas expressem seus posicionamentos no espaço público, assim é
uma democracia, mas achei interessante o fato de que nem cidadãos/manifestantes nem as autoridades estavam muito preocupados com o tema da independência.

Em diversos países, seus respectivos Dia da Independência são marcados por celebrações da liberdade, é o dia em que a população
lembra da história (seja longínqua ou recente) de submissão e como se deu a mudança de seu caráter político.

No Brasil é diferente, o dia da Independência é sempre o dia em que as pessoas reafirmam suas ideias, posições políticas e dizem o que querem do futuro.

Acho isso interessante e positivo, mas acho também que nos falta um bocado de memória, de senso histórico.

Nos falta saber “de onde
viemos” para poder construir o caminho do “para onde vamos” de forma mais consistente e sair desse círculo vicioso de construção e desconstrução democrática.

Somos uma democracia jovem, você provavelmente já ouviu isso. Temos pouco mais de três décadas de exercício democrático contínuo. Antes disso, do dia da Independência até então, estivemos mergulhados em conflitos e instabilidade política constantemente e por décadas.

Você sabe que episódios foram esses? Sugiro “dar um Google” pois é muita informação para uma coluna só, rs.

Com isso posto, chamo sua atenção para os acontecimentos atuais onde os três poderes encontram-se em uma espécie de disputa de bola, um jogo infantil de interesses particulares que pouco tem a ver com a tão proclamada “defesa da democracia”. Enquanto os titulares dos poderes se insultam e ameaçam impeachments como se esse instrumento fosse algo banal, boa parte da população segue como massa de manobra, sendo incitada ao ódio e ao conflito em nome de uma noção deturpada de cidadania e de democracia.

Pense bem sobre a história do nosso país, pesquise, se informe e debata para que suas opiniões tenham fundamento, sua manifestação tenha sentido e seu grito expresse uma independência real.

Tenha ciência do que acontece no seu país e do seu papel como cidadão e cidadã, para que exista uma evolução real e não apenas alternância de lideranças populistas uma atrás da outra em cada eleição.

Você é livre para isso e tem esse poder, esse é o sentido real da Independência.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 × 5 =

Author

Share