O que te influencia?

Author

Categories

Share

Estamos na era dos influencers, em bom português, influenciadores. Em sua essência essa “atividade” nasceu ligada ao consumo, como uma nova forma de alavancar vendas, mais adaptada à nova geração de consumidores que prioriza a experiência de consumo e uma relação mais estreita com as marcas. Portanto, tratava-se de mais uma ferramenta de venda.

Ao longo do tempo e da experiência com o consumidor, esse formato foi se adaptando para produzir mais substância e além do desejo, trabalhar o motivo de consumir, o comportamento desse consumidor e, óbvio, isso não demorou a entrar na seara política, nos trazendo os influencers políticos, como uma espécie de versão mais democratizada dos formadores de opinião, que no geral pertenciam a uma gama mais restrita de acadêmicos, assessores e jornalistas especializados. Os influencers políticos emitem suas opiniões e análises com o objetivo de nos fazer “consumir” posicionamentos políticos, ideias, visões de mundo, contestar padrões e exercitar nossa pretensa “liberdade” de opinião e participação política. São em essência, instrumentos de propaganda.

Você sabe o que significa propaganda? A palavra Propaganda tem origem latina, no termo original “propagare”, que designava a reprodução de plantas, relacionado à ideia de disseminar. No século XVII, o Papa Gregório XV criou uma comissão de cardeais para difundir o catolicismo em países não católicos, a que denominou de Congregação para propagar a fé. Assim o termo passou a se referir a plantar ou disseminar ideias e crenças.

Quatro séculos depois a propaganda constitui o elemento central da nossa comunicação social, aonde inúmeras ideias ou crenças chegam a nós de diversos pontos e a todo o momento, sem que muitas vezes possamos tomar consciência delas antes mesmo de incorporá-las ao nosso cotidiano ou pensamento.

Em ano eleitoral, a propaganda ganha atenção especial, pois tomamos consciência de seu uso e de suas características, sabemos quem a emite e com qual propósito, diferente muitas vezes do mundo do consumo. Na esfera política, a propaganda eleitoral tem o objetivo de ser clara e influenciar as pessoas a aderir a ideias e projetos que lhes são apresentados através de ferramentas de comunicação que buscam acessar suas esferas emocional e racional.

Para além dessa comunicação direta proporcionada pela propaganda, os influencers políticos fornecem uma “interpretação” dessas mensagens, buscando uma adesão ou uma rejeição às ideias e projetos ou à pessoa do candidato ou candidata em questão. Mas convém destacar que os influencers operam na esfera da emoção, como dissemos no início do texto, seu objetivo é acessar e modificar o comportamento das pessoas. No terreno político, as coisas não são tão simples como vender produtos, a decisão do voto beneficia ou prejudica você e uma série de pessoas, pois uma vez eleito, aquele representante é instituído do poder de representar a todos e não só quem votou nele ou nela. Não é como quando você compra aquele produto para cabelo que te deu alergia, você reclama e pede o dinheiro de volta. Ali só você foi prejudicado e ainda tem possibilidade de reparação.

No mundo da Internet, a natureza “democrática” das redes sociais permite que todos possam se colocar no papel de influencers, agora legitimados pelo número de seguidores e não necessariamente pelo conteúdo que apresentam, embora essa exigência por parte dos seguidores esteja aumentando. Em tempos de domínio das redes sociais, fake news e polarização, é importante aproveitar o período eleitoral não só para conhecer os candidatos, suas ideias e decidir seu voto, mas também para analisar que tipo de pessoas estão influenciando suas decisões, que tipo de interpretação eles fazem dos fatos, em que tipo de informação se baseiam.

É um ótimo momento para refletir, o que te influencia?

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Author

Share