Pinacoteca de São Paulo aborda experiências urbanas em nova mostra com obras de Andy Warhol, Berenice Abbott e Edward Hopper

Author

Categories

Share

Pelas ruas: vida moderna e experiências urbanas na arte dos Estados Unidos. 1893-1976 reúne 150 obras, de 78 artistas; Exposição é realizada em colaboração com a organização Terra Foundation for American Art

Inauguração: 27.08.2023

Período: 27.08.2022 a 30.01.2023

Obra Pepita, 1917, de Robert Henri. Crédito da imagem: ©Museum Associates/LACMA

A Pinacoteca de São Paulo inaugura a exposição Pelas ruas: vida moderna e experiências urbanas na arte dos Estados Unidos1893-1976em colaboração com a organização Terra Foundation for American Artno edifício Pina Luz. A mostra reúne 150 obras, de 78 artistas, dentre eles, reconhecidos nomes da arte norte americana, como Andy Warhol, Edward Hopper, além de trabalhos de Charles White, Emma Amos, George Nelson Preston, Jacob Lawrence e Vivian Browne, entre outros.

 

A curadoria é de Valéria Piccoli, curadora-chefe da Pinacoteca; Fernanda Pitta, professora assistente do MAC-USP e curadora da Pina até maio de 2022, e Taylor L. Poulin, curadora-assistente da Terra Foundation. Em um ano em que se celebra o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, o museu examina como a ideia de modernidade é elaborada nas artes visuais também fora do Brasil, especificamente nos Estados Unidos, que durante o século 20 constrói sua reputação como referência no cenário cultural mundial.

 

As obras em exposição datam de 1893 — ano da Exposição Universal, em Chicago, nos Estados Unidos, evento que marca a primeira vez que o Brasil se apresenta internacionalmente como um país republicano e alinhado com os valores políticos dos EUA — até 1976, celebração do bi-centenário da independência americana.

 

A mostra explora os modos como a modernidade se manifesta na produção artística norte americana a partir das transformações das cidades e da observação dos ritmos e dinâmicas da vida nos grandes centros urbanos. Em Pelas Ruas, a multiplicidade dos trabalhos exibe um ambiente urbano que é ao mesmo tempo um lugar de encontro, entretenimento, multidões, mas também de segregação, solidão, conflitos, reivindicações sociais. “Fizemos a opção por apresentar uma narrativa mais expandida da arte norte americana, baseada numa maior variedade de artistas e movimentos regionais cuja produção figurativa e socialmente consciente persistiu ao longo do século XX à margem do discurso dominante da abstração. A seleção contempla muitos artistas afro- americanos, mulheres e também um indígena”, ressalta Valéria Piccoli.
A lista dos trabalhos inclui empréstimos vindos de 16 importantes instituições culturais como o Whitney Museum of American Art, Nova York (EUA); Los Angeles County Museum of Art, Los Angeles (EUA), o Museum of Contemporary Art Chicago, Chicago (EUA); International Center of Photografhy, Nova York (EUA); a própria Terra Foundation for American Art, entre outros. Grande parte são pinturas e gravuras, ao todo 80 trabalhos. A totalidade se completa com fotografias. Destaque para as imagens de Berenice Abbott, Diana Davies, Gordon Parks, Robert Frank e Walker Evans.
A curadoria contemplou obras de um elenco de artistas mais diversificado com alguns nomes até desconhecidos no cenário brasileiro. É o caso de Charles White (1918-1979) e Emma Amos (1937-2020). White teve, em 2018, uma retrospectiva no MoMA (NY — EUA) mas, no Brasil, fará parte de uma exposição pela primeira vez. Seu trabalho Wanted Poster Series #14 (1970) questiona os resquícios de uma mentalidade escravista a partir de um poster do século 19, onde se ofereciam recompensas por escravizados fugidos.
Já as obras de Emma Amos sempre confrontam o sexismo e o racismo. A pintura Eva the Babysitter (1973), que está em Pelas Ruas, foi produzida enquanto Amos era a única mulher a integrar o coletivo de artistas afro-americanos “Spiral Group”, na década de 70. A potencialidade das artistas mulheres também foi privilegiada na seleção das fotografias, exemplificada nas imagens de Diana Davies, que não apenas se engajou como registrou as passeatas e protestos em Nova York em prol do respeito à comunidade LGBTQIA+, como também nas fotos de arquitetura feitas por Berenice Abbott em Nova York. Outras imagens de cunho social, que abordam situação dos desempregados e imigrantes em São Francisco, feitas por Dorothea Lange, e os retratos de Gordon Parks sobre a cena musical do Harlem, um bairro periférico e predominantemente negro de Nova York, também estarão expostas.
De Andy Wharol, Pelas Ruas exibe um trabalho bastante singular na trajetória do artista e distante das imagens que o deixaram mundialmente famoso. Trata-se de uma gravura, de 1965, de cunho político, que aborda um episódio de violência policial ocorrido no estado do Alabama. Já do Edward Hopper, a gravura Night Shadows (1921) e a tela Dawn in Pennsylvania (1942) exemplificam suas tradicionais temáticas ligadas à solidão e melancolia das paisagens urbanas.
A organização expositiva ocupa sete salas do primeiro andar do edifício Pina Luz e as obras estão divididas em 7 núcleos:  A cidade branca, onde estão os materiais referentes à Exposição Universal de 1893; Experimentações artísticas, que explora como a transformação das cidades pela construção de arranha-céus e eletrificação das vias, por exemplo, influencia no vocabulário artístico de uma época. Em O Individual e o coletivo, destaque para a diversidade das populações e a criação de comunidades como, por exemplo, Chinatown, famoso bairro de Nova York.

 

Nas próximas salas, o visitante encontra Ritmos e padrões da cidade, referência a quanto do ritmo da nossa vida cotidiana é ditado pela dinâmica do deslocamento entre pontos de uma cidade. No núcleo A multidão anônima, encontram-se representações da massa urbana e também da sensação de ser um indivíduo em meio a muitos outros. Engajamento e separação reúne trabalhos mais políticos dos anos 60 e 70, que exploram o espaço urbano como palco para manifestações e reivindicações. Por último, Cidades reimaginadas aborda o modo como a contracultura da década de 1970 propôs e pensou outras formas de convivência em sociedade. A mostra termina com a projeção do filme Tree dance (1971), de Gordon Matta-Clark, em que vários performers tentam habitar uma árvore, utilizando lençóis, cordas para ocupar o espaço.

 

Pelas ruas: vida moderna e experiências urbanas na arte dos Estados Unidos1893-1976 propõe olhar para a arte norte americana do século 20 sob o viés da representação da vida nas cidades, que define muito do que entendemos como a cultura americana até os dias de hoje. O Catálogo bilíngue, em português e inglês, reúne além das imagens das obras, textos de apresentação assinado pelas curadoras e ensaios de autores convidados, além da tradução de artigos críticos sobre a Exposição Universal, incluindo da feminista americana Ida Wells e do abolicionista americano Frederick Douglass, e manifestos dos movimentos civis Black Panther e Alcatraz, que denotavam a efervescência política e social dos ano 60 e 70, retratada por muitos dos artistas em Pelas Ruas.

 

Esta exposição e seus programas são resultado da parceria e do generoso apoio da Terra Foundation for American Art.
Educativo

Pelas Ruas contará com um material de apoio as práticas pedagógicas voltadas para professores, multiplicadores e público em geral. Os vídeos, como o tour virtual, serão produzidos e distribuídos gratuitamente pela internet com tradução em libras.

 

Workshop

No âmbito da exposição, será organizado um workshop multilateral com pesquisadores brasileiros e norte americanos para discutir e debater o movimento modernista americano e as intersecções com a arte brasileira.
Patrocínio

A exposição tem patrocínio da Allergan, na cota prata, e apoio da Embaixada e Consulados dos EUA no Brasil, do marketplace FARFETCH e da empresa Bain & Co.

 

Serviço:

Pelas ruas: vida moderna e experiências urbanas na arte dos Estados Unidos. 1893-1976/In the Streets: Modern Life and Urban Experiences in the Art of the United States, 1893-1976
Curadoria de Valéria Piccoli; Fernanda Pitta e Taylor L. Poulin
Período: 27.08.2022 a 30.01.2023

Edifício Pinacoteca Luz
Praça da Luz, 02, Luz, São Paulo, SP
De quarta a segunda, das 10h às 18h.

Ingressos no site da Pinacoteca
R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia-entrada) na bilheteria física ou no site do museu.
Sobre a Terra Foundation

A instituição Terra Foundation for American Art se dedica a promover as artes visuais dos Estados Unidos. Para estimular o diálogo intercultural sobre a arte americana, a Terra Foundation apoia e colabora com exposições inovadoras, pesquisas e programas educacionais. Implícita em tais atividades está a crença de que a arte tem o potencial tanto de distinguir culturas quanto de uni-las.

 

Pinacoteca de São Paulo

A Pinacoteca de São Paulo é o museu de arte mais antigo da cidade, fundado em 1905 pelo Governo do Estado de São Paulo. Seu acervo conta hoje com cerca de 11 mil peças. Possui dois edifícios abertos ao público, a Pinacoteca Luz e a Pinacoteca Estação, e um terceiro em construção, a Pinacoteca Contemporânea. A Pina Luz foi a antiga sede do Liceu de Artes e Ofícios. Projetado no final do século XIX pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, passou por uma ampla reforma, no final da década de 1990, com projeto do arquiteto capixaba Paulo Mendes da Rocha (1928-2021). A Pina Estação foi inaugurada em 2004. Seu prédio, também projetado por Ramos de Azevedo, foi totalmente reformado pelo arquiteto paulistano Haron Cohen para receber parte do programa de exposições temporárias e do acervo do museu. Originalmente abrigou os armazéns e escritórios da Estrada de Ferro Sorocabana. Já com a entrega da Pina Contemporânea, prevista para dezembro de 2022, a Pinacoteca de São Paulo se torna, em área e capacidade de público, um dos maiores museus de arte da América Latina.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Author

Share